Explicações.

Como se edita um e-book? Como se compra um e-book? Como se lê um e-book? Como sobrevivemos às saudades da textura e cheiro do papel?

Comecemos pelo fim: não se sobrevive. Mas também não se sobrevive a ver um filme numa sala de cinema escura, a ouvir música ao vivo ou em vinil, a ler notícias no papel de jornal. O que nunca me impediu de ver filmes na televisão, ouvir música em CD ou MP3, ler notícias na Internet. Escolher um novo meio não implica esquecer os antigos.

O meu pai, cinéfilo inveterado, adora em primeiro lugar a sala de cinema mas se há coisa que aprendi com ele é que também se pode ver filmes na televisão, em VHS, DVD, Blu-Ray. O que interessa é conseguirmos chegar ao filme de uma forma bastante aproximada a como o autor o imaginou. E aí gostar ou não gostar.

A mesma coisa serve para os livros. Tenho um Kindle, mas já li muito em outros ecrãs, no computador, no telemóvel. O que não me impede de ser ainda um fetichista do livro em papel. O fabuloso "Binocular Vision" de Edith Pearlman, por exemplo, li em papel. Vai merecer um post em breve.

Parece-me que acabei por arrumar os dois últimos pontos, mas vale a pena esclarecer mais um pouco. O Kindle tradicional é mais barato e funciona melhor com luz natural, é menos cansativo e só serve para ler. O iPad é mais caro, mais potente, mais versátil mas vai gerar necessariamente mais distrações. E quem diz iPad, diz qualquer outro tablet do mesmo tipo.

Além dos dispositivos, há aplicações para ler livros em todos eles. O ecossistema da Amazon sempre me pareceu mais amigável, fácil de usar, sincronizável nas várias plataformas e tem, para já, a minha fidelidade. Além do mais é mais amigo dos autores.

Editar um e-book é complicado. O mercado ainda é uma selva e os grandes operadores como a Amazon ou Apple tendem a privilegiar editoras já existentes e agregadores a autores. A Amazon criou um processo mais fácil. Editar directamente na iBookstore da Apple é Kafkiano, é preferível escolher um agregador. Usei o Smashwords, que é bastante explícito e fácil de usar. Na Amazon, o Kindle Direct Publishing é melhor do que qualquer agregador e o processo é relativamente rápido. Em 48 horas o livro estava publicado.

Faz falta o trabalho da editora, não se pense que não. Já atualizei os meus livros nas respetivas lojas online mais do que uma vez. Nada de fundo, apenas para corrigir gralhas e desacertos com o acordo ortográfico (obrigado Lourenço). Em papel isso teria sido impossível a não ser com nova edição. A capa foi eu que fiz a partir de uma fotografia minha, esta aqui ao lado. Para a promoção falta-me tempo, qualquer ajuda será bem vinda. É claro que muitas editoras falham nisto tudo também, mas isso é outra conversa.


Virá a morte e terá os teus olhos de Luís Soares está apenas disponível em formato de livro eletrónico:

Para comprar em formato Kindle clique aqui. Está disponível na Amazon de outros países.

Para comprar em formato iPadNook, Sony Reader, Kobo, Palm ou outros, clique aqui.

Em qualquer dos casos, poderá fazer download dos primeiros capítulos sem pagar, para ajudar na decisão da compra.