Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Fernando Luís Sampaio - Polaroid

Pela tarde o céu a terra
e mesmo tu formam uma densa pasta
de nuvens.
Recordo a tua boca, as tuas pernas
em arco sobre o penedo quente.

 

Os poços entram em colapso,
o verão arrasta multidões
para as ravinas do lugar comum.

 

O chapéu descaído
protege-te os olhos
que se movem com translúcido torpor.

 

Agora que passaram séculos
sobre esse único beijo estou
sem vontade de fingir

 

a relutância
do meu desejo. Esta polaroid, já seca,
encena também a minha morte.