Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Brincadeiras e coisas sérias.

A entrevista de Kathryn Bigelow ao New York Times demonstra uma vez mais aquilo que eu já desconfiava. É uma realizadora de cinema a sério que num mundo muito dado ao estereótipo como é o do cinema, escapou das convenções para realizar filmes de acção... pouco convencionais.

Já mostrei aqui o trailer e continuo à espera de ver o "The Hurt Locker" para confirmar a boa impressão que tenho dela (foto aqui abaixo).

Noutro "bairro" do cinema americano, prepara-se para estrear o novo "Transformers" e conto que o som esteja pelo menos tão ensurdecedor como no "Terminator: Salvation", a julgar pelos trailers.

Como já deu para perceber, andei a ler a secção de cinema do New York Times e achei muito interessante este artigo sobre como os brinquedos, depois dos comics, parecem ser a nova mina que Hollywood começou a explorar, como forma de alimentar a máquina industrial respectiva.

Nada disto me escandaliza muito, desde que não haja equívocos. Estamos a falar de explorar máquinas que têm um grande reconhecimento junto do grande público e dão um avanço significativo aos senhor do marketing, num mercado muito competitivo. O cinema é outra coisa e a maneira como cada realizador vai explorar a marca que lhe puserem à frente é que definirá a qualidade ou interesse do produto final, junto da crítica que lhe der um pouco de atenção e do público mastigando ruidosamente as suas pipocas.

Quer dizer... um filme baseado no jogo "Monopólio"? No contexto económico actual, eu entregava a realização ao Oliver Stone, mas não vamos por aí.