Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Making the Music of "One From The Heart"

French documentary for TF1 television (One From The Heart: Reportage, in the studio w. Greg Cohen). Directed by Jean-Claude Arie. Los Angeles.
Entrevue: Jean-Claude Arie. Entrefien: Philippe Garnier. Image: J.P. Guillemard. Son: Joe Le Guillou. Montage: A.C. Bequet. Assist Realisation: Ph. Robert. Realisation: Jean-Claude Arie.
TF1 1982

 

Tom Waits & Crystal Gayle - 'One From The Heart' Rehearsals and Napa 'Musical Summit'.

onefromtheheart.jpg

Arvo Pärt - Spiegel im spiegel (Filipe Melo e Ana Cláudia)

http://www.pianos.pt

 

spiegel im spiegel
arvo pärt

 

piano: filipe melo
violoncelo: ana cláudia serrão

 

produção: hugofreitas // pedro coelho
montagem: ana bossa
som: pedro coelho
fotografia: nuno bouça
câmaras: hugo duque // hugo freitas // inês pestana // nuno bouça
realização: inês pestana

 

agradecimentos especiais: hugo duque // marta vella // miguel robalo // pedro garcia (pi)

"I'm just a weird guy."

Shane Carruth, realizador (e outras coisas) de Primer e Upstream Color deu uma entrevista interessante à Little White Lies. Eu diria que se calhar há algum ego a mais ali, o que seria de esperar, mas vale a pena ler toda. No fundo acaba por ser um manifesto artístico para o século XXI que é hoje extensível a quase todos os domínios da criação. Uma citação abaixo.

We wake up in a cave, all of us. We don't know how big it is; we don't know anything about it. We don't even know it's a cave. And so people start digging in different directions; some dig left, some dig right. And then they die. They get 12-feet down in their cave tunnel and they die. And then the next generation comes along and maybe they start digging down that same tunnel, maybe they dig further. Or maybe they dig in a different direction; maybe they dig up, maybe they dig down. Eventually we start tunnelling out this cavern that defines everything about us, not necessarily what we know but what we question. That's the way I think of narrative storytelling. If all we're doing is existing in the same space, we're not adding to the definition of where we are. You've got to find a wall and start digging, and if that means you find a tunnel you're not comfortable with that's great; if that means you find a new direction nobody's tried before that's great; if that means you turn down a channel and turn left and start tunnelling that way that's fine too.

A propósito da capacidade que temos ou não para financiar as nossa ambições criativas, só mais duas notas.

Fui um dos que contribuiu para que o Marina Abramovic Institute fosse um sucesso no Kickstarter mas compreendo este rant do Keith Hennessy. É verdade que a Marina é já uma espécie de estrela (à sua escala, não confundamos as coisas) mas também é verdade que é um exemplo do que é possível e o objetivo do seu projeto é mais criar oportunidades para outros do que alimentar ego, parece-me a mim.

O Filipe Melo, músico, escritor, cineasta e all-round-renaissance-man está a tentar o crowdfunding para o terceiro volume de "As Fantásticas Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy" e a coisa nem me parece estar a correr mal. Vão lá contribuir.