Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Detroit

Directed by Kathryn Bigelow. Written by Mark Boal. Starring John Boyega, Will Poulter, Algee Smith, Jacob Latimore, Jason Mitchell, Hannah Murray, Kaitlyn Dever, Jack Reynor, Ben O'Toole, Joseph David Jones, Ephraim Sykes, Leon Thomas III, Nathan Davis Jr., Peyton Alex Smith, Malcolm David Kelley, Gbenga Akinnabve, Chris Chalk, Jeremy Strong, Laz Alonzo, Austin Hebert, Miguel Pimentel, Kris David, with John Krasinski and Anthony Mackie.

Detroit

From the Academy Award winning director of THE HURT LOCKER and ZERO DARK THIRTY, DETROIT tells the gripping story of one of the darkest moments during the civil unrest that rocked Detroit in the summer of ‘67.

Directed by Kathryn Bigelow. Written by Mark Boal. Starring John Boyega, Will Poulter, Algee Smith, Jacob Latimore, Jason Mitchell, Hannah Murray, Kaitlyn Dever, Jack Reynor, Ben O'Toole, Joseph David Jones, Ephraim Sykes, Leon Thomas III, Nathan Davis Jr., Peyton Alex Smith, Malcolm David Kelley, Gbenga Akinnabve, Chris Chalk, Jeremy Strong, Laz Alonzo, Austin Hebert, Miguel Pimentel, Kris David, with John Krasinski and Anthony Mackie.

detroitposter.jpg

Brincadeiras e coisas sérias.

A entrevista de Kathryn Bigelow ao New York Times demonstra uma vez mais aquilo que eu já desconfiava. É uma realizadora de cinema a sério que num mundo muito dado ao estereótipo como é o do cinema, escapou das convenções para realizar filmes de acção... pouco convencionais.

Já mostrei aqui o trailer e continuo à espera de ver o "The Hurt Locker" para confirmar a boa impressão que tenho dela (foto aqui abaixo).

Noutro "bairro" do cinema americano, prepara-se para estrear o novo "Transformers" e conto que o som esteja pelo menos tão ensurdecedor como no "Terminator: Salvation", a julgar pelos trailers.

Como já deu para perceber, andei a ler a secção de cinema do New York Times e achei muito interessante este artigo sobre como os brinquedos, depois dos comics, parecem ser a nova mina que Hollywood começou a explorar, como forma de alimentar a máquina industrial respectiva.

Nada disto me escandaliza muito, desde que não haja equívocos. Estamos a falar de explorar máquinas que têm um grande reconhecimento junto do grande público e dão um avanço significativo aos senhor do marketing, num mercado muito competitivo. O cinema é outra coisa e a maneira como cada realizador vai explorar a marca que lhe puserem à frente é que definirá a qualidade ou interesse do produto final, junto da crítica que lhe der um pouco de atenção e do público mastigando ruidosamente as suas pipocas.

Quer dizer... um filme baseado no jogo "Monopólio"? No contexto económico actual, eu entregava a realização ao Oliver Stone, mas não vamos por aí.

"The Hurt Locker"

Com toda a certeza por distração minha, há muito que não ouvia falar da Kathryn Bigelow, realizadora de um dos filmes que mais me interessou no final do século passado, "Strange Days". Parece que a senhora tem um filme novo com bom aspecto, que até já ganhou um prémio em Veneza. Chama-se "The Hurt Locker" e tem como personagens principais, sapadores, aqueles tipos arriscam a vida a desarmar bombas no campo de batalha. Diga-se que já em "O Paciente Inglês" (livro e filme) havia uma exploração dramática interessante destes personagens.