Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Dreams of love In London

Dreams of love In London from Shotways on Vimeo.

City of London on Christmas.

We can see how the love is everywhere, no matter the race, no matter the age, the sex.. we just have to keep our eyes open and see. Every single moment is a precious gift and we have to live it as it was our last breath.
Life is for loving,not hating. When you love every little thing, you will receive everything for the universe.

Dreams of love.

Shot with Sony a7s and canon 24-105L

The Wallace Collection

Já fui a Londres mais vezes do que devia mas há sempre coisas que ficam para trás. Desta vez, aproveitei para descobrir a Wallace Collection, um pequeno museu (à escala dos que há na cidade, bem grande para a escala portuguesa) de entrada gratuita em Marylebone, logo ali adiante da loja da Monocle, com uma coleção admirável mostrada num cenário fantástico. Ainda por cima, pode fotografar-se. É claro que me detive em pormenores de Canalleto a Rembrandt a Fragonard e outros que tais. O texto abaixo, do excelente site do museu, apresenta-o. O vídeo ajuda. As fotos que se lhe seguem são algumas das que fiz.

 

The Wallace Collection is a national museum in an historic London town house. In 25 galleries are unsurpassed displays of French 18th-century painting, furniture and porcelain with superb Old Master paintings and a world class armoury.

The Wallace Collection is a national museum which displays the wonderful works of art collected in the eighteenth and nineteenth centuries by the first four Marquesses of Hertford and Sir Richard Wallace, the son of the 4th Marquess. It was bequeathed to the British nation by Sir Richard's widow, Lady Wallace, in 1897.

Displayed at Hertford House, one of the family's London properties in the nineteenth century, the Wallace Collection presents its outstanding collections in a sumptuous but approachable manner which is an essential part of its charm.

It is probably best known for its paintings by artists such as Titian, Rembrandt, Hals (The Laughing Cavalier) and Velázquez and for its superb collections of eighteenth-century French paintings, porcelain, furniture and gold boxes, probably the best to be found anywhere outside France.

Less well known is that the Wallace Collection features one of the finest groups of princely arms and armour in Europe and, alongside this, you can enjoy splendid medieval and Renaissance objects, including Limoges enamels, maiolica, glass and bronzes.

 

Discover the Wallace Collection from The Wallace Collection on Vimeo.

Discover the Wallace Collection with this short film exploring the highlights of the Collection

 

Wallace_1.JPG

Wallace_2.JPG

Wallace_3.JPG

Wallace_4.JPG

Wallace_5.JPG

Wallace_6.JPG

Wallace_7.JPG

Wallace_8.JPG

Next Week in London

Don’t miss national treasure and Poirot star David Suchet as the formidable Lady Bracknell in Oscar Wilde’s much loved masterpiece The Importance of Being Earnest, which is now open to rave reviews at the Vaudeville Theatre, London for a strictly limited season.

 

Two bachelor friends, the adorable dandy Algernon Moncrieff (Philip Cumbus – regular player at Shakespeare’s Globe) and the utterly reliable John Worthing J.P., (Downton Abbey’s Michael Benz) lead double lives to court the attentions of the exquisitely desirable Gwendolyn Fairfax (Emily Barber) and Cecily Cardew (Imogen Doel). The gallants must then grapple with the riotous consequences of their deceptions, and with the formidable Lady Bracknell.

John Adams - Scheherazade.2

Há momentos em que as coincidências acontecem. A verdade é que já tinha comprado bilhetes para este concerto quando li o livro do Salman Rushdie (já com tradução portuguesa) mas agora que volto a pensar nisso, Xerazade e os seus Jinns andam a aparecer bastante na minha vida. Diz a apresentação do concerto:

Essential American composer John Adams brings his own take on storytelling to the Barbican including a new dramatic symphony for violin and orchestra.

Performed by close collaborator and new music champion Leila Josefowicz, Adam’s latest work takes the idea of the original Scheherazade into the present day and “imagines a modern woman storyteller/hostage whose strength of character and powers of endurance are tested over and over”. There are more traditional tales to be told in the first half with Ravel’s youthful ballet score Mother Goose, featuring Sleeping Beauty, Tom Thumb and Beauty and the Beast.

Para a semana vou, então, ouvir "Scheherazade.2" de John Adams, um dos meus compositores contemporâneos favoritos, dirigida pelo próprio, com uma primeira parte dedicada a Ravel. A peça teve estreia mundial em Nova Iorque com Alan Gilbert a dirigir a New York Philharmonic e está aqui abaixo a partir do minuto 55.

Leila Josefowicz is the soloist in the World Premiere of Scheherazade.2 by John Adams. Also featured is The Enchanted Lake by Anatoly Lyadov and Petrushka by Igor Stravinsky. Music Director Alan Gilbert conducts. The program is hosted by Alec Baldwin and produced by Mark Travis.

 

00:00:00: Billboard and intro to Lyadov
00:02:00: LYADOV: The Enchanted Lake
00:09:05: Back-announcement and intro to Stravinsky
00:11:39: STRAVINSKY: Petrushka
00:47:20: Back-announcement and intro to Adams
00:55:45: ADAMS: Scheherazade.2
01:44:59: Back-announcement and credits
TRT: 01:47:15

V E Day in London 1945

V E Day began with Mr Churchill's broadcast officially announcing the end of war in Europe. Londoners took to the streets in celebrations which continued for nearly two days. Outside Buckingham Palace the crowds chanted 'we want the King' and were rewarded by the Royal Family appearing on the balcony. At nine o'clock in the evening the King broadcast to Britain and the Commonwealth.

London Is Changing (and Lisbon).

Londres é uma das minhas cidades favoritas e está neste momento numa encruzilhada que lhe parece desenhar um caminho de futuro específico. Já falei sobre este assunto aqui e aqui, depois de ler o último romance do William Gibson.

A encruzilhada neste momento é entre a realidade, o futuro dessa realidade, a representação ficcional dos eventuais caminhos de futuro e o trabalho de ativistas e jornalistas sobre tudo isto. Não tenho a certeza que a realidade seja o que vem primeiro embora, provavelmente, sim. Talvez a imaginação ficcionada sobre a realidade seja um rastilho. Talvez a experiência real das pessoas seja o mais relevante. Mas a verdade é que tudo está a acontecer ao mesmo tempo.

Só mais umas achegas.

este artigo do The Guardian com este título fantástico: "The city that privatised itself to death: 'London is now a set of improbable sex toys poking gormlessly into the air'" e também um olhar sobre as questões levantadas pela privatização dos espaços públicos. A Londres futurista de Gibson está precisamente pontuada por shards, fortalezas de oligarcas e parques temáticos.

Há também este artigo da AdWeek sobre a campanha 'London Is Changing' que pede contributos sobre casos específicos em que a cidade está a mudar e os transforma em billboards, eles próprios excelentes ícones de uma cidade inteiramente comercializada. Um exemplo abaixo.

É um assunto que nunca mais acaba, claro, e Londres não é a única vítima. A dinâmica da 'gentrificação' de Nova Iorque é assunto antigo, para citar o exemplo mais conhecido. Aí, como em Londres, outro problema ainda se levanta. Afinal, quem raio é que é dono da cidade? De quem são todos aqueles apartamentos caríssimos e vazios?

Lisboa não está livre destes perigos variados que vão esvaziando a alma das cidades. Só nesta última semana, duas notícias que nos devem deixar alerta: a questão da concessão de espaços em Monsanto a privados e a notícia de que proximamente será inaugurada uma Pousada de Lisboa no Terreiro do Paço. O local é fantástico e o resultado deverá sê-lo também, contribuindo para mais turismo de qualidade no centro da cidade. Mas não pode ser a única maneira de fazer viver esse centro...

 

William Gibson's London.

Não me canso do William Gibson porque ele diz em entrevistas, coisas destas:

We can attempt to legislate technology after the fact, but it keeps on coming. Its nature is to be completely out of control. Nobody legislates technology into being. They don’t legislate the birth of the Internet or cellphones or anything. They’re called forth into the market, and the people who call them forth often have absolutely no idea how these things they've thought of will most change society. It’s impossible to tell until people have the things, and they’re using them.

Mas o motivo mais imediato para este post é uma polémica londrina. No seu último romance, 'The Peripheral', parte importante da ação situa-se numa Londres futura (mais ou menos um século no futuro) pontuada por shards, nostalgia do passado, tecnologia fora de controlo e uma classe de super ricos.

O que está a acontecer em Londres, por estes dias, aponta com certeza para este caminho. Um anúncio da Redrow London, promotor imobiliário gerou a polémica. Os autores do anúncio achavam, cito a partir deste artigo do The Guardian:

“We tried to do something a bit new and different from the typical property videos out there, but we accept that maybe we didn’t get it quite right with this one!”

O anúncio é este:

Rapidamente a Internet, nomeadamente por via do Twitter, pegou na coisa e revelou-lhe a alma. Também li o 'Kingdom Come', último romance do J.G. Ballard, o ano passado e lembrei-me dele, claro, mas nada como a versão abaixo, que pega nas imagens do anúncio da Redrow e lhes sobrepõe falas de Patrick Bateman, o psicopata ficcional de Brett Easton Ellis.

É como aquelas versões de músicas que revelam a verdade que a música original parecia não ter conseguido.

Anjos na América. E em Londres.

Devo andar muito distraído porque não me tinha apercebido da produção do National Theatre para o "Angels in America" do Tony Kushner. Ou se calhar até já sabia e tinha-me esquecido. Seja como for, não fosse um post do André Murraças no Facebook, muito menos me tinha apercebido que o elenco contava com Andrew Scott (brevemente num Bond perto de si) e Dominic Cooper (Mamma Mia!).

Nunca vi a peça encenada mas a minissérie do recentemente falecido Mike Nichols é das minhas coisas favoritas de sempre em televisão. E também já li o texto original do Kushner e é realmente brilhante.

A cena abaixo é do princípio da primeira parte "Millennium Aproaches", humor, drama e emoção em palco. Like.