Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

De onde vem um título?

Até agora, apenas duas pessoas me perguntaram, em jeito de confirmação, de onde vinha o título de "Em Silêncio, Amor". Diga-se que mais algumas não perguntaram por eu ter explicado.

Um ponto prévio.

Na versão cinematográfica de "High Fidelity" de Nick Hornby, Rob questiona-se:

What came first, the music or the misery? People worry about kids playing with guns or watching violent videos, like some kind of culture of violence will take them over. Nobody worries about kids listening to thousands, literally thousands of songs about heartbreak, rejection, pain, misery and loss.

Did I listen to pop music because I was miserable? Or was I miserable because I listened to pop music?

Isto para dizer que sempre achei incrível como a canção de Paulo de Carvalho, "E Depois do Adeus" conseguia ter aquele tom épico e festivaleiro, sendo sobre uma despedida, uma separação. É a magia da pop, é verdade, mas o meu momento favorito dessa música continua a ser aquele em que, em mudança de tom, a voz diz "em silêncio, amor".

É claro que toda a letra da música e o facto simples de ter sido uma das senhas do 25 de Abril de 1974 me encantavam também.

A isto acrescente-se que, como muito bem disse em tempos o José Duarte, a versão jazz do Carlos Martins para este standard, traz-nos uma sensação de reconhecimento do familiar a uma nova luz que é provavelmente o que os americanos ouvem há anos, a cada cover do seu imenso songbook.

Quanto a "Os Adultos", é preciso dizer que teve um título alternativo durante muito tempo que era "Para Adultos", mas acho que teria de ser um romance diferente para ter esse título. "Os Adultos" acabou por ser o título ideal para a incomunicação, encontros e desencontros entre as várias personagens e idades presentes no livro.

Quanto a "Aquariofilia", apesar das dúvidas da editora, nunca teve na minha cabeça um título diferente, nem nunca pôde ter. A natureza equívoca do título, a sua sonoridade familiar e deslocada, a claustrofobia que acaba por invocar no contexto da história, tudo era ideal.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.