Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Um Requiem americano

"A Árvore da Vida" de Terrence Malick é obra de um génio louco. Digo isto no melhor sentido possível e com um tom elogioso de admiração.

Lembro-me de ler há algum tempo numa entrevista de António Lobo Antunes que os escritores e, por extensão, os criadores em geral, caminhavam sempre na perigosa fronteira do lugar comum, correndo o risco de resvalar e cair para o lado de lá. Eu sei, atormenta-me. A verdade é que quando isso não acontece, quando se caminha na fronteira do reconhecimento sem cair na banalidade, o resultado é geralmente brilhante. É isso que acontece no vencedor da Palma de Ouro de Cannes deste ano.

Das primeiras imagens às últimas, Malick, como é normal na sua escassa mas famosa obra cinematográfica, alterna entre um tom poético em que imagem, voz off e banda sonora se servem mutuamente com pedaços da história de uma família, dos subúrbios americanos, dos seus sonhos nos anos 50 e 60, do fazer e desfazer desses sonhos, numa mise en abyme que nos leva do universo em nosso redor ao infinito particular (obrigado Marisa Monte).

A passagem da infância à idade adulta é retratada como poucas vezes em toda a sua incerteza e crueldade nos grandes planos do estreante Hunter McCracken, a natureza indízivel das relações familiares em que a dureza e o amor fazem parte de uma mesma nuvem de incompreensão e ligação. Territórios que a todos nos tocam, mesmo que não naquele lugar e naquele tempo. E depois há Brad Pitt e Sean Penn, masculinos, duros e frágeis, brilhantes, tanto como Jessica Chastain.

Fiquei a pensar nos subúrbios dos Arcade Fire, nos meus subúrbios, no Requiem de Berlioz, no piano e órgão de Bach, numa sinfonia de Brahms, na vida, na morte, no amor, naqueles actores que se entregam à câmara sempre circulante de Malick, nas texturas, nas árvores todas ao longo do filme, nas sombras nos vários chãos, na água e no sol, tudo aquilo de que é feito o filme.

Vou ver outra vez. (Trailer e "Agnus Dei" do Requiem de Berlioz aqui abaixo).





1 comentário

Comentar post