Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Ó tempo volta para trás.

No meu tempo, que ainda é este mas já foi outro, e apesar da relatividade e outras invenções do Século XX, o tempo de cada um de nós era estreito e linear, movia-se como aquele anúncio da Xbox, disparado da barriga da mãe até aterrar numa sepultura ou forno crematório. Neste tempo de agora, que é ainda meu mas parece ser de mais gente, o tempo parece-me uma coisa cada vez mais confusa. Era fenómeno que se adivinhava, quando a Laurie Anderson perguntava no "Same Time Tomorrow" que eu tanto gosto de citar "is time long or is it wide?". Cheguei a fazer um trabalho de faculdade sobre isso, mas perdeu-se nos idos dos anos noventa, infelizmente.

Vem isto tudo a propósito de ter visto aparecer no Facebook este fim de semana, lamentos numerosos pela morte de Vasco Granja, acontecida no dia 5 de Maio, sim, mas há três anos, em 2009. Além de prova de curta memória, demonstra também o frenesim dos dedos na partilha, que clicam antes de ler, a data que seja. A notícia partilhada tinha dia, mês e ano no cabeçalho.

Não é exclusivo português e acontece com sensacionalismos variados. A primeira vez que dei por isso foi com a notícia da morte de um ator da série Harry Potter, do Guardian, acho. Notícia sobre algum secundário ou figurante até, mas que com um atraso de meses ou anos fez a ronda das redes.

Que o utilizador comum seja distraído, apressado, frenético parece-me normal, se bem que um pouco tonto. Que o mesmo aconteça a um jornal ou, para ser mais preciso, ao site de um jornal (ver a foto que ilustra este post) já é menos justificável. Mas quem pode censurar quem, neste tempo de pressas, velocidades, simultaneidades que é o nosso.

Cada vez me intrigam mais as possibilidades da lentidão como contrapoder. Talvez seja por isso que gosto ainda tanto de livros, com o seu tempo lento de apreensão e compreensão. Mas mesmo nos livros... bom, vou esperar para ver.