Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Prometeu.

Ainda não disse nada sobre o "Prometheus" do Ridley Scott e já vai sendo altura.

Que o primeiro Alien e os filmes que se lhe seguiram giravam em torno dos temas da doença e da família, no bom tom metafórico da ficção científica, já se sabia. Eram ainda por cima bons temas para um fim de século marcado pela emergência da SIDA e por um renascente fundamentalismo cristão com ela relacionado. Ou não. Esses temas voltam ao novo filme, situado no mesmo universo ficcional, mas o Sr. Scott deve ter pena de nunca ter sido o Sr. Kubrick, por muito bom entretenimento que tenha feito.

Não é o que mais me incomoda, que os temas da religião, ciência, origem sejam enxertados no filme sem uma particular consistência, embora se arroguem a constituir-se como motor principal da ação das personagens. O que me incomoda mesmo é que o argumento não se aguente. Há de tudo, personagens com ações inexplicáveis só para fazer avançar a ação, personagens que nem se percebe o que andam lá a fazer, discursos que servem para explicar motivações e intrigas que não se tornam claras pelo desenrolar da história. Sem querer spoilar nada, há até o momento clássico de filme de terror mau: "Há qualquer coisa estranha lá fora. Ah é? Então vamos abrir a porta."

Consta que existiu uma versão do filme com mais uma hora que acabou cortada para esta. Nota-se. Não há fluidez, não há ritmo, não há construção e desenvolvimento das personagens, apenas as mais básicas das pinceladas. Talvez "Prometheus" devesse ter sido uma série de televisão, daquelas que podem agora demorar dez, vinte, cinquenta horas a contar uma boa história. As sementes estão lá, o resultado desilude.

Sim, a Noomi Rapace está muito bem como nova Ripley, o Michael Fassbender é um andróide muito creepy e o universo visual é impecável, no desenvolvimento da inspiração original de H.R. Giger.

Mais que tudo, ao contrário da melhor ficção científica, falta ao filme aquela sensação de que está no momento certo, que nos toca na nossa realidade, por distante que possa parecer daquele mundo.

Seja como for, o final parece anunciar uma sequela. A ver vamos.

1 comentário

Comentar post