Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Televisão. Notícias da frente de combate.

A Amazon tem, para apreciação dos seus clientes e possível audiência em mercados selecionados, um conjunto de episódios-piloto de novas séries produzidas pelo gigante do comércio eletrónico. São seis séries infantis e oito comédias e não estamos a falar de coisas low cost e tímidas mas de ir buscar protagonistas e temas que garantem, desde logo, um mínimo sucesso de audiência e exigem um investimento com alguma dimensão. A Amazon está também a usar o IMDB (outra das suas propriedades) para promover esta pilot season. É lá que podem ser vistos os trailers respetivos.

A Netflix, por seu lado, continua a investir na produção de conteúdo original e tem já em produção a segunda temporada de House of Cards, a sua série produzida por David Fincher (que realizou também os dois primeiros episódios) com Kevin Spacey no papel principal. Uma das coisas mais interessantes na estratégia de lançamento de House of Cards foi a disponibilização de todos os episódios da primeira temporada de uma vez só. Num mundo on demand, episódios semanais não fazem sentido. Estamos a falar de hábitos de consumo que a pirataria ajudou a formar. Sobre esta estreia, vale a pena citar a Forbes:

It’s the first major TV show to completely bypass the usual television ecosystem of networks and cable operators. It’s also the first time that a series has released an entire season (thirteen episodes) all at once, for viewers to watch at their own pace. Finally, it’s the first time that programming has been developed with the aid of big data algorithms. That’s a lot of firsts.

Mesmo no mundo da network television mais tradicional (ABC, CBS, NBC, FOX), a influência do online e de novos hábitos de consumo é cada vez maior. Candidatos ao primetime são apresentadores com fortes audiências e capacidade de mobilização em meios digitais como Jimmy Kimmel ou Jimmy Fallon. Um aparte a propósito disto para mostrar um excerto de vídeo de um projeto de Jason Salavon chamado The Late Night Triad e que ele próprio apresenta.

In this installation, from a broader series begun in 1997, 64 nights' worth of the major US late night talk shows have been aligned and averaged using basic transformations. The result is a triptych of video projections with soundtrack, presenting an amalgamation of monologues which reveals the ghosts of repetitious structure and nightly activity.

 

Em Portugal, a dimensão do mercado de televisão e online não permite grandes experiências. A isso some-se a pequenez (em muitos sentidos) do mercado publicitário. O SAPO investiu e continua a investir em parcerias para produzir conteúdo original em vídeo e o MEO Kanal abriu o espaço da televisão a milhares de novos protagonistas. Tirando isso... pouco mais. (Sim, são projetos em que trabalhei e trabalho, perdoem-me se a visão é limitada).

A verdade, contudo, é que Portugal continua a ser um mercado com uma capacidade de adesão e um poder de compra relativamente interessantes, na lista de prioridades dos grandes players internacionais na área do digital, mesmo que seja na parte debaixo da dita lista. Note-se por exemplo como o YouTube já partilha receitas com produtores de conteúdos portugueses na sua plataforma.

Ficamos à espera que, tal como aconteceu com a música (Music Box, iTunes, Spotify), também no entretenimento televisivo possam surgir novidades um destes anos.