Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Inspirados em Edward Hopper

A Galeria Saatchi de Londres selecionou no seu site um conjunto de obras que reuniu sob o título genérico "Inspired By Edward Hopper". Sendo os quadros de Hopper tão conhecidos, populares, partilhados e citados, o conjunto arrisca frequentemente a imitação barata ou o simples pastiche, usando aquilo que é mais fácil em Hopper: as cores, o realismo, o lado urbano. Há em alguns, contudo, outros elementos mais difíceis: a solidão desesperada, a violência da alienação, a geometria quase abstrata.

Aqui em baixo, por ordem: BQE Dusk de Daniel Charles Feldman, Street Corner (Long Shot) de Stefanie Schneider, Paul Smith, Melrose Ave, LA (#5) de John Tierney, Reserved Section de Matthew Carter, Bedroom Chair de Stu Sporn, Untitled de Alessandro Pagani.

Olaf Heine

Olaf Heine fotografa sobretudo celebridades, entre elas estrelas da música popular global, gente como Iggy Pop ou Chris Martin, Sting ou Dave Gahan, os Jonas Brothers, Michael Stipe ou James Blunt. Usa sobretudo um certo lado expressivo do preto e branco e encena as imagens cuidadosamente, para emprestar contexto à superfície fugaz do que é célebre. Note-se o seu livro com o brilhante título "I Love You But I've Chosen Rock".

Além disso faz também algumas fotografias de viagem. Um dos exemplos, em La Havana, Cuba, aqui ao lado. É claro que escolhi esta imagem porque nos quase duzentos anos que a história da fotografia leva, a sua natureza multi-referencial volta a sobressair. Não é só um velhote a um balcão de um café em Cuba, é de novo o "Nighthawks" do Edward Hopper.

É uma das imagens mais citada por outras imagens. Só mais um exemplo, aqui abaixo, da versão espanhola de "Marvels" de Alex Ross.

I Love You But I've Chosen Roc

"Night Windows"

Esta fotografia da Julie Blackmon...

...tem o mesmo nome deste quadro do Edward Hopper:
O nome é "Night Windows" e a parecença não é inocente nem extraordinária. Hopper está em todo o lado. Um destes dias enumero a quantidade de livros que já usou um quadro de Hopper na capa. Seja como for, é uma óptima oportunidade para recomendar a exposição "Modern Life: Edward Hopper and His Time" que vai estar no Whitney Museum of American Art em Nova Iorque a partir de 28 de Outubro. Alguém me quer financiar um bilhete?
Seja como for, vale a pena ler o artigo da New York sobre o assunto que tem como cativante título "The Great American Pessimist".

Limpeza de tabs.

Só para fechar aqui uma série de Tabs que estão abertas com coisas sobre as quais nem me apetece escrever muito.

O P.T. Anderson prepara um novo filme com o Philip Seymour Hoffman, de nome "Master", mas no contexto de crise actual, não me parece que seja um parto fácil. A Universal diz que só decide se paga, depois de ler o guião.

Por falar em Universal, já toda a gente sabe que a Comcast chegou a acordo com a GE para comprar a NBC Universal, por coisa pouca, uns 20 biliões (americanos) de dólares. Coisa pouca. Tenho curiosidade de ver o "30 Rock" a fazer piadas sobre o assunto. A Tina Fey adora explorar a relação entre a NBC e os seus agora futuros ex-donos, a General Electric. É claro que tudo isto me lembra sobretudo a grande polémica da PT querer comprar a TVI, coisa que na altura me pareceu um movimento sensato e interessante. Mas em Portugal nada nunca é simples.

Ainda sobre cinema, vale a pena ler esta conversa com o Tom Ford, realizador do "A Single Man", que a crítica, aparentemente contrariada, tem elogiado. Cá o espero. Assim como espero o Morgan Freeman a fazer de Mandela no "Invictus" do Eastwood. Coisas boas a caminho dos ecrãs.

Saltitando de novo para a televisão, um crítico do "The Hollywood Reporter" (Barry Garron) escolheu as que eram para si as dez melhores séries da década (em primeiro lugar "The Sopranos"). O herege excluiu o "The Wire" e o "Boston Legal", mas gostos não se discutem. E eu até gosto de uma das escolhas mais polémicas dele, o recentíssimo "Modern Family". Já menos compreensível é que o Ipsilon online dê a notícia de forma tão incompleta e mal informada. Seria de agência?

Uma última nota para este blog que o Viegas tem divulgado a bom divulgar e aleluia por isso. Chama-se "O Silêncio dos Livros" e é constituído integralmente por imagens de pessoas a ler, seja em fotografia, seja em pintura. Que delícia. Aqui abaixo fica um Hopper, como não podia deixar de ser.