Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Fado Para Esta Noite

Volta esta noite pra mim

Volta esta noite pra mim

Canto-te um fado, no silêncio, se quiseres

Mando recado ao luar, que se costuma deitar

Ao nosso lado, para não vir hoje, se tu vieres

 

Anda deitar-te, fiz a cama de lavado

Cheira a alfazema o meu lençol alinhado

Pus almofadas com fitas de cor

Colcha de chita com barra de flor

E à cabeceira tenho um santo alumiado

 

Volta esta noite pra mim

Volta esta noite pra mim

Canto-te um fado no silêncio, se quiseres

Mando um recado ao luar, que se costuma deitar

Ao nosso lado, pra não vir hoje, se tu vieres

 

Pus o meu xaile pra nos servir de coberta

E um solitário ao pé da janela aberta

Pus duas rosas que estão a atirar

Beijos vermelhos, sem boca para os dar

Sem o teu corpo, minha noite está deserta

 

Volta esta noite pra mim

Volta esta noite pra mim

Ser abraçada, por teus braços, atrevidos

Quero o teu cheiro sadio, neste meu quarto vazio

De madrugada, beijo os teus lábios, adormecidos

 

Mando recado ao luar, que se costuma deitar

Ao nosso lado, pra não vir hoje, se tu vieres