Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

The Sunset Limited

 

O Sunset Limited é o comboio da Amtrak que faz o percurso Los Angeles - New Orleans, atravessando o sul dos Estados Unidos. Diz a publicidade: "Settle back and watch the Bayou Country, Mexican border, southwestern deserts and California mountains pass by your window." Não são zonas estranhas ao escritor Cormac McCarthy.

"The Sunset Limited" é nome de uma peça de Cormac McCarthy, embora incluir este texto no género dramático levante as suas questões. Na capa, aliás, afirma-se como A Novel In Dramatic Form. Diz o New York Times: "It's a poem in celebration of death." Nos seus romances, McCarthy tem por hábito não assinalar os diálogos, aqueles diálogos brutais que são parte fundamental da sua prosa seca e directa. Aqui desaparece toda a acção e no espaço de um quarto fechado resta apenas um longo diálogo. E que diálogo. Os temas são os do costume para quem o conhece: religião, família, violência, morte entre um Black e um White que mais alegóricos não podiam ser. Ainda estou em depressão pós-leitura.

Estreou-se como peça em Maio de 2006 no Steppenwolf Theatre de Chicago, tendo depois passado por Nova Iorque em Outubro do mesmo ano, no 59E59 Theatre. Em ambos os casos, o elenco era constituído por Freeman Coffey (Black) e Austin Pendleton (White) - ambos na foto. A peça já estreou em muitos outros lugares depois disso, mas em Portugal ainda nada. Aqui abaixo está um trailer da produção do Boulder Ensemble Theatre.

Ainda mais interessante é saber que Tommy Lee Jones (amigo do autor) está a fazer uma versão para a HBO em que ele próprio será White e Samuel L. Jackson o Black. Será que consegue o tom Bergmaniano que o conteúdo exige?

 

Na fronteira.

Passei bastante tempo dos últimos meses na fronteira entre o Estados Unidos e o México pela mão de Cormac McCarthy, na sua "Border Trilogy" ("All The Pretty Horses", "The Crossing" e "Cities of the Plain").

Entre cavalos e cowboys, ao longo de mais de mil páginas, reconheci a paisagem humana agreste de outros livros do autor, e fui-me afeiçoando ao pessoal rude que a popula, mas acho que me vou dedicar a leituras mais curtas, por agora, o Bolaño que espere, leio-o quando sair de moda.

Na verdade este post é só uma desculpa para publicar três fotografias de Richard Prince e dos seus "Cowboys" que muito me lembram o que acabei de ler.

"The Road" - Trailer

A arte conceptual ganha forma de trailer. Provavelmente seria de esperar que um livro íntimo, seco e trágico como "A Estrada" ganhasse forma de filme apocalíptico pelo menos em trailer, para tentar a venda ao público norte-americano, mentecapto em grande percentagem (ou assim pensa grande parte do marketing).

Esperemos que o filme preserve alguma da subtileza do livro. Os actores são bons e gosto, seja como for, da intensidade de Viggo Mortensen e da beleza condenada de Charlize Theron.