Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Narrativas Digitais e Entretenimento Transmedia

O esotérico título deste post é o esotérico nome de uma cadeira de mestrado e pós-graduação no ISCTE para a qual contribuo com umas duas ou três aulas por ano com a minha experiência no assunto.

Contidas neste nome estão novas formas de contar histórias, usando uma ou várias plataformas digitais (sites, blogues, redes sociais, plataformas móveis, ARG, geocaching, etc.) somadas ou não a outras mais tradicionais (livros, cinema, televisão). A ideia é que o resultado final permita o aprofundamento da narrativa, a sua dispersão em em tempos, lugares e personagens mais ou menos secundários e um envolvimento crescente de consumidores, leitores, audiências, novos produtores, todos os que decidirem participar.

É uma área nebulosa e nem sempre fácil de compartimentar ou definir. Todos os anos me acho a falar de coisas diferentes, fazendo perguntas novas e raramente encontrando respostas definitivas. De ano para ano, também me parece, os alunos são cada vez mais nativos digitais que compreendem este universo e anseiam por deixar nele a sua marca.

Aqui abaixo fica a apresentação de que fiz uso ao longo das aulas no final do ano passado. Não vou elaborar, não vou explicar, são só algumas pistas.

 

Narrativas Digitais e Entretenimento Transmedia from Luis Soares

Notícias da interacção.

Desde a invenção do rato de computador e suas variantes, os modos de interacção com os computadores tem evoluído devagar. Recentemente, o iPod Touch e o iPhone lançaram os chamados "gestos naturais" e o multitouch como novidade que rapidamente alastrou aos dispositivos móveis. As interfaces para o utilizador do lado de lá dos ecrãs têm evoluído devagar e embora eu tenha a certeza que nos laboratórios da Apple e da Microsoft haja gente freneticamente a pensar no assunto, as propostas mais exequíveis, como a 10/GUI não me têm atravessado o olhar com frequência. Há um vídeo também:


10/GUI from C. Miller on Vimeo.

 

É claro que há visões mais radicais sobre o assunto, num mundo em que as previsões futuras variam loucamente entre os 50 biliões e o trilião de dispositivos ligados em rede. Gosto particularmente deste vídeo da Patti Maes na TED de um projecto em desenvolvimento.