Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luís soares

Blog do escritor Luís Soares

Hoje estou assim.

A canção é dos Velvet Underground, mas a cover é da Marisa Monte.

 

Pale Blue Eyes

 

Sometimes I feel so happy,
Sometimes I feel so sad.
Sometimes I feel so happy,
But mostly you just make me mad.
Baby, you just make me mad.
Linger on, your pale blue eyes.
Linger on, your pale blue eyes.

 

Thought of you as my mountain top,
Thought of you as my peak.
Thought of you as everything,
I've had but couldn't keep.
I've had but couldn't keep.
Linger on, your pale blue eyes.
Linger on, your pale blue eyes.

 

If I could make the world as pure and strange as what I see,
I'd put you in the mirror,
I put in front of me.
I put in front of me.
Linger on, your pale blue eyes.
Linger on, your pale blue eyes.

 

Skip a life completely.
Stuff it in a cup.
She said, Money is like us in time,
It lies, but can't stand up.
Down for you is up."
Linger on, your pale blue eyes.
Linger on, your pale blue eyes.

 

It was good what we did yesterday.
And I'd do it once again.
The fact that you are married,
Only proves, you're my best friend.
But it's truly, truly a sin.
Linger on, your pale blue eyes.
Linger on, your pale blue eyes.

Vai Saber?

A letra e a música são da Adriana Calcanhotto, mas a Marisa Monte gravou esta magnífica canção antes da autora, no delicioso álbum que é o "Universo ao meu Redor". Agora e para o seu novo álbum "O Micróbio do Samba", chega a versão Calcanhotto. Gosto muito da Adriana, gosto muito do novo álbum, mas ela que me perdoe, continuo a gostar mais da versão da Marisa Monte para esta música.

Ainda por cima com a Primavera a anunciar-se em rebentos nas árvores, céu azul, sol morno e lua cheia, a vontade de ocupar uma esplanada e deixar as palavras e os sons entrar é ainda maior.

Fica aqui a tal versão da Marisa Monte:

Dança da Solidão.

Os Deolinda podiam só ter escrito, musicado e cantado a frase "timidez ata-me a pedras e afunda-me no rio", que eu já ia gostar deles, mesmo não sabendo falar de amor. Por um motivo qualquer, é uma frase da mesma natureza da "Dança da Solidão" da Marisa Monte. Aqui, abaixo.